Imprimir esta página
rnstp rnstp rnstp

O Banco Central de São Tomé e Príncipe decide cerrar as portas do Banco Privado.

Escrito por  rnstp Jun. 15, 2018

O Banco Central de São Tomé e Príncipe decidiu esta quinta-feira suspender o funcionamento do Banco Privado.

 

A decisão tomada pelo Conselho de Administração do Banco Central tem como objectivo salvaguardar a credibilidade do sistema financeiro nacional, proteger o interesse dos depositantes e garantir a boa mobilização bancária.

Falhas graves na gestão do banco, acumulação de prejuízos ao longo de anos são alguns dos motivos que levou ao cancelamento do funcionamento do Banco Privado, disse em declaração a imprensa, o Governador do Banco Central, Hélio Almeida.

“Foram detetados  sucessivos incumprimentos das disposições que regem o sistema financeiro, por outro lado , os inúmeros constrangimentos incluindo a degradação da carteira de crédito assim como falhas graves na gestão”

Hélio Almeida  denunciou ainda a existência de “prejuízos que ascendem 37 milhões de novas dobras” como consequência de créditos concedidos a revelia das normas financeiras”.

 

Segundo o Governador do Banco Central, todos os depositantes do Banco Privado serão indemnizados.

“ Todos os depósitos serão ressarcidos aos titulares sem quaisquer custos adicionais  e a  carteira regular da instituição será transferida para outras instituições bancarias que operam no sistema financeiro nacional.”

A decisão de fechar as portas do Banco Privado surge depois de em Fevereiro último, o Banco Central ter determinado a alienação total ou parcial dos patrimónios  daquele banco.

 

Nesta declaração a imprensa, o Governador do Banco Central deixou claro que actualmente não há bancos em situações preocupantes no país.

Modificado em sexta, 15 junho 2018 09:08